Mó | fisioterapia

11 3562-0991 | 3562-2291 | Whatsapp: 11 97458-0531

7757-SP CREFITO-3/50691-F

Triathlon Long Distance de Pirassununga

Testemunho do nosso competidor e paciente

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014 - Por Ulisses Franceschi Eliano

O triathlon Long Distance de Pirassununga é o mais tradicional do país. Sempre reunindo atletas de alto nível, com um astral excepcional e uma boa organização. Sem contar o lugar que é perfeito para a prática do esporte, a AFA - Academia da Força Aérea da Aeronáutica. É uma prova famosa por uma natação sem correntezas em águas calmas, no entanto, bem "pesada" devido a falta de flutuação e a proibição do uso de roupa de borracha; um ciclismo muito bacana, com altimetria razoável, porém rápido por não ter retornos de 180o e uma corrida dura, das mais duras que temos, com um calor e umidade realmente altas, o que exige muito de qualquer atleta todos os anos. As distâncias correspondem a uma prova de 70.3, ou, mais conhecida como Meio Ironman, que são 1900m de natação, 90km de ciclismo e 21km de corrida.

Esta prova para mim é um evento obrigatório. Foi onde o triathlon realmente se tornou parte de mim. A minha primeira vez nessa prova foi em 2008, com quatro meses de triathlon, e foi realmente a maior dificuldade que já tinha enfrentado em minha vida até então. Como foi duro. Terminei a prova com 4h58min, ficando em 106o na categoria e em 289o no geral da prova e saindo bem destruído.

Esta prova acabou se transformando em um termômetro. É nela que avalio a minha melhora. Ela é que me indica se estou no caminho certo. Fiz a prova nos três anos posteriores, 2009, 2010 e 2011, e sempre ela é referência. Na minha cabeça sempre me pergunto: "como eu estava em Pira 2009? e Pira 2010?" para poder me comparar.

Sei o que mudei e melhorei do ponto de vista nutricional de uma edição para outra, sempre assessorado pelas minhas nutricionistas da Nutricius, sei os pesos, medidas e percentagens de gordura corporal que estava em cada edição, sei quais alterações fiz nas minhas metodologias de treino de uma para outra. Esta prova é a minha referência anual.

Em 2009, conheci o Dr. Carlos Roberto Mó, após o meu primeiro Ironman em Florianópolis. Fui indicado por um amigo, pois precisava "ser consertado" depois de ter saído completamente destruído da prova. Hoje sei que se não fosse por conhecer o Dr. Carlos Mó e minhas nutricionistas, provavelmente não estaria mais no triathlon, muito menos com a performance que consegui atingir.

Muitos exercícios funcionais, muitas séries de propriocepção, muita isometria e, acima de tudo, sempre impressionantes diagnósticos precisos de minhas lesões e dores.

Em um esporte como o triathlon, praticado com intensidade, ainda que com uma excelente alimentação e metodologia de treinos, as lesões estão sempre na iminência. Hoje, as séries de exercícios funcionais que aprendi neste tempo que conheço o Dr. Carlos Mó, fazem parte da minha rotina semanal de treinos. Não passo uma semana se quer sem elas e tenho certeza que elas são um dos motivos de eu estar evoluindo a cada ano, com uma ascensão meteórica no esporte.

Até mesmo as séries de musculação e fortalecimento que faço passaram por um aval do Dr. Carlos Mó.

Ele acabou virando uma espécie de anjo da guarda. Como um de muitos exemplos, apareceu uma dor no posterior do joelho antes de uma prova importante no começo do ano, o GP Extreme Triathlon Time Trial. Diagnóstico, impressionantemente, por telefone: tendinite. Treinando forte, com as séries, exercícios e dicas em algumas alterações no treino passadas pelo doutor, que dificilmente outro especialista saberia realizar da mesma forma eficiente, a tendinite foi derrotada, fiquei em 2o lugar na categoria e 5o geral da prova.

Voltando à Pirassununga, meu termômetro:

Pirassununga 2009, 4h32 de tempo, melhorando em 26 minutos, 13o da categoria e 39o geral da prova.

Pirassununga 2010, 4h20 de tempo, melhorando em 12 minutos, 5o da categoria, 13o geral da prova e meu primeiro pódio no triathlon, em uma prova dura como Pirassununga

Pirassununga 2011, 4h15 de tempo, melhorando em 5 minutos, 2o da categoria e TOP 10 geral da prova.

Neste período todo, alguma dor aparece, uma ligação para o Dr. Carlos Roberto Mó é certa. Dicas que são impossíveis de serem encontradas em outros lugares, impressionantemente certeiras, tanto nos diagnósticos,  como na metodologia de tratamento. Uma dor aparece cuja causa é muito difícil de se descobrir, sempre recebo uma dica "pare com os treinos de subida", ou "troque de tênis" ou "seu posterior da coxa está encurtado, precisa alongar para aliviar a condromalácia que você tem" ou ainda "faça 15 minutos de bike, 3 séries de afundo e gelo". São dicas de uma inteligência e eficiência muito grande que dificilmente encontramos em outro lugar.

Para esta prova de Pirassununga de 2011, estava com um volume de treinos semanais de 13.000m de natação, 300km de ciclismo e 70km de corrida, com intensidades muito altas. Sem uma alimentação adequada e um especialista como o Dr. Carlos Mó, realmente muito difícil segurar esta rotina.

O próximo desafio de peso que enfrentarei será o Ironman Brasil 2012, onde certamente o Dr. Carlos Mó será fundamental para que meus treinos e minha prova saiam com êxito que espero.

 

Ulisses Franceschi Eliano

« Voltar